A Jeana é nossa colaboradora e entrou em junho de 2011 na primeira turma de jovens aprendizes da Cootravale. Ela participou da primeira de uma série de entrevistas que estamos fazendo com as pessoas que fazem parte desses 25 anos. Confira o que ela tem para nos contar:

Poderia nos falar um pouco da sua trajetória até aqui?

“Eu trabalhava no setor societário na época. Comecei a fazer faculdade de ciências contábeis e naquela época não tinha nenhuma vaga disponível aqui, nem no fiscal, nem no contábil. Eu fiquei um período esperando se essa vaga apareceria, mas quando eu vi que não seria tão logo, eu decidi procurar um escritório para ganhar conhecimento na área em que eu estava estudando. Aí eu fiquei 1 ano e meio no escritório e um dia eu encontrei o Eduardo e a Eliane em um curso, e eles perguntaram se eu não queria voltar. Eu pensei na ideia, decidi voltar e entrei em maio de 2015. Se eu não tivesse saído, já teria quase 10 anos.”

Você entrou como jovem aprendiz e hoje está esperando um neném. Você imaginava que estaria na Cootravale quando começasse a construir a sua própria família?

“Quando a gente entra na empresa  a gente quer crescer, ganhar experiência ali dentro, e ao mesmo tempo a nossa vida vai mudando […] Foi aqui que eu tive o meu primeiro emprego, foi aqui que eu encontrei o meu marido, foi aqui que eu me casei. Eu estava aqui quando me formei e aqui que eu vou ter meu primeiro filho. É como se a nossa vida tivesse junto porque a gente está aqui há um tempo. Não é uma coisa separada.

Tem algo que te marcou em todo esse tempo de Cootravale?

“São tantas lembranças que eu tenho que eu nem sei dizer uma que marcou. Porque assim, a gente está aqui, trabalha, tem tensão, tem cobrança,  mas a gente também tem os momentos em que a gente se reúne. Como por exemplo, a última festa que teve. Estava todo mundo tão tenso da virada do sistema, do fechamento de ano e aí quando veio a festa, parece que o pessoal soltou toda aquela tensão que tava, se divertiu, conversou, deu risada. Às vezes você só vai atrás da pessoa para falar de problema. Ali não, você estava falando sobre assuntos diversos sem problema nenhum. “

Esse ano a Cootravale completará 25 anos. Para você, qual a melhor parte em fazer parte dessa história?

“Eu posso vir trabalhar todo dia e eu não venho com aquele sentimento de obrigação. Eu venho porque eu sei que pode até ser um dia de muito trabalho, mas que tá todo mundo com o mesmo objetivo aqui dentro, que é conseguir melhorar a Cootravale como cooperativa para os cooperados, cada um entregar a sua parte da melhor forma possível. E as pessoas que eu tenho no meu setor são pessoas que eu gosto muito. Estar em um lugar onde eu estou feliz de estar é gratificante.”